Transplantados podem e devem fazer exercícios

Posso falar em primeira pessoa sobre o papel da atividade física para alguém que passou por um transplante. Sou transplantada unilateral de pulmão, profissional de educação física e atleta.

Precisei entrar na lista por um transplante devido a uma fibrose pulmonar, uma doença progressiva e sem cura que faz com que percamos o fôlego aos mínimos esforços, como tomar banho e escovar os dentes. Minha fibrose evoluiu de tal forma que precisei utilizar oxigênio 24 horas por dia e, por vezes, tinha de me deslocar de cadeira de rodas.

Após cinco meses na fila de espera, meu pulmão chegou! É ele que me dá fôlego para essa nova vida. Transplantei somente o pulmão esquerdo e, atualmente, o direito já quase não funciona. Mas vivo muito bem…

Tão bem que virei atleta e pratico atletismo. Já representei nosso país em três Mundiais para Transplantados e sou bicampeã mundial nos 100 metros rasos para transplantados (com um único pulmão em funcionamento). Me preparo para o próximo mundial, que será na Austrália em 2023.

Liège Gautério em prova de atletismo disputada.Foto: Acervo pessoal/Divulgação

Vi no esporte uma maneira de divulgar a doação de órgãos e desmistificar a ideia de que transplantado é alguém com muitas restrições e que não pode se exercitar. Como profissional da educação física, idealizei o projeto Se Mexe Tx, que incentiva transplantados a se exercitarem e cuidarem do seu órgão recebido.

Como tomamos várias medicações, dentre elas os imunossupressores para evitar a rejeição do órgão, podemos ter muitos efeitos colaterais, como diabetes, hipertensão, osteoporose etc. E o exercício é também uma forma de prevenir e/ou amenizar esses efeitos.

Depois de realizar o tão esperado transplante e ganhar nossa segunda chance de viver, recebemos orientações quanto aos cuidados que devemos ter para a boa manutenção da nossa saúde: como tomar os medicamentos, o que ajustar na alimentação, o que fazer em matéria de higiene… Uma das recomendações que mais ganham ênfase nos últimos anos é a prática de exercício, de preferência orientada.

A lista de benefícios da atividade física é extensa:

• Combate o excesso de peso;
• Melhora a autoestima e promove a sensação de bem-estar;
• Diminui o estresse, o cansaço e os sintomas depressivos;
• Aumenta a disposição;
• Fortalece o sistema imune;
• Melhora a força e a resistência muscular;
• Fortifica ossos e articulações;
• Melhora a postura;
• Diminui as dores;
• Reduz o risco de doenças cardiovasculares.

Os transplantados que se exercitam reinternam menos, voltam mais rápido ao trabalho e à vida social, sendo que isso reflete em uma qualidade de vida melhor.

A atleta e idealizadora do projeto Se Mexe Tx com as medalhas dos mundiais.Foto: Acervo pessoal/SAÚDE é Vital

Espero que o público transplantado seja encorajado por suas equipes médicas a realizar exercícios e que celebrem seu renascimento através do esporte!

* Liège Gautério é profissional de educação física, transplantada e idealizadora do projeto @semexetx 

Comenrários

spot_img

Ultimas notícias