Saúde mental: o que é um surto psicótico e como tratar?

Por conta do isolamento social, em função da pandemia de Covid-19, muito tem se falado sobre a importância da saúde mental. Afinal, é cada vez mais comum encontrar casos de depressão, ansiedade e até mesmo surtos psicóticos se tornarem públicos.

No Distrito Federal, exemplos recentes são os casos da mulher do personal trainer flagrada mantendo relações sexuais com um morador de rua e o coronel da PM investigado por estuprar um jovem em motel.

O psiquiatra do Instituto Merake Saúde Mental, Luan Diego Marques, explica que o surto psicótico é um episódio repentino. O maior sintoma, segundo o médico, é a mudança repentina de comportamento, mas ela pode acontecer de forma gradual.

”Pessoas que, por exemplo, não são religiosas e, de uma hora pra outra, se tornam extremamente fieis é um sinal vermelho. Na psiquiatria, chamamos de comportamentos ‘bizarros’, são aleatórios e completamente contrários a personalidade do paciente”, diz o psiquiatra.
Luiza Sarsur Ribeiro, psiquiatra do Hospital Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais ( UFMG), explica, ainda, que o surto psicótico é um episódio temporário do estado mental em que ocorre uma dissociação entre a realidade e a percepção que a pessoa tem dela, podendo haver alucinações, delírios, ansiedade, agressividade, pensamento desorganizado e/ou comportamento desorganizado.

”Durante um ‘surto psicótico’, com a presença de delírios ou alucinações, além de pensamentos desorganizados, o paciente sofre um amplo comprometimento do juízo crítico e da realidade”, diz a psiquiatra.
Sintomas de um surto psicótico

Segundo os especialistas, os principais sintomas do surto psicótico são as alucinações e os delírios, que causam uma perda de contato com a realidade. De acordo com a psiquiatra Luiza Ribeiro, as alucinações são experiências semelhantes à percepção, que ocorrem sem um estímulo externo, são vívidas e claras, com toda a força e o impacto das percepções normais, não estando sob controle voluntário.

“Esses episódios podem ocorrer em qualquer modalidade sensorial [pelos órgãos dos sentidos], como ouvir vozes, ver pessoas e objetos ou até sentir cheiros”, diz a médica.
Já os delírios são são crenças fixas, não passíveis de mudança à luz de evidências reais que se argumente. Seu conteúdo pode incluir uma variedade de temas, como delírio persecutório(mania de perseguição), mistico religioso, de grandeza, entre outros.

De acordo com o psiquiatra Luan Diego Marques, a maioria dos quadros de “surto'” apresenta delírio persecutório – chamado também de mania de perseguição – mas isso também depende das vivências de cada paciente.

”Uma pessoa ansiosa é mais passível de passar por um delírio persecutório por estar constantemente pensando que algo pode dar errado. Já uma pessoa religiosa, provavelemente terá um delírio religioso”, aponta o médico.
Outros sintomas comuns são:

Desorganização do pensamento: a pessoa começa a ter um discurso confuso, podendo mudar de um tópico a outro repentinamente e apresenta respostas e perguntas que podem ter uma relação oblíqua ou não ter relação alguma
Comportamento motor desorganizado ou anormal: o paciente pode ficar, de silencioso e imóvel, até agitado e agressivo, sem motivo aparente
Comportamento catatônico: ficar parado, sem qualquer reação, além de mostrar expressão emocional diminuída (emoções mostradas pelo rosto, no contato visual, na entonação da fala)
Falta de sociabilidade
Capacidade de discernimento comprometida: pacientes podem agir, falar, se comportar e se expressar de formas que não são coerentes com seu julgamento e entendimento racional
Oscilações bruscas de humor: rápidas mudanças de emoções, como medo, euforia, pânico e raiva
Quem pode ter um surto psicótico?
De acordo com os psiquiatras, em geral, o primeiro episódio psicótico tem origem orgânica, sem causas clínicas, uso de drogas e medicações – e não há como evitar que ele ocorra. O psiquiatra, Luan Diego Marques, destaca que é comum associar o ‘surto’ a pessoas violentas mas relembra que qualquer pessoa que tiver uma mínima perda de juízo critico pode ter um episódio.

De acordo com a psiquiatra Luiza Ribeiro, a psicose é um transtorno relativamente frequente, com uma incidência estimada entre 1.5 e 6.5 por 100 mil pessoas por ano, comparável com a incidência de doenças psiquiátricas como Transtorno Bipolar de Humor e Transtorno Esquizoafetivo .

“Os transtornos psicóticos são heterogêneos e a gravidade dos sintomas pode prever aspectos importantes da doença, como o grau de déficits cognitivos ou neurobiológicos”, diz a médica.
Em princípio, “qualquer indivíduo está sujeito a desenvolver um quadro psicótico”, aponta a especialista. “Nos quadros psiquiátricos primários, como esquizofrenia e bipolaridade, existem características de herdabilidade e de ligação à carga genética importantes, determinando que as pessoas que têm parentes de primeiro grau tenham mais chances de desenvolver estas mesmas patologias que outros indivíduos que não as têm”, explica.

Já o especialista, ressalta que além das carga genética importantes, outro fator que pode contribuir para uma futura crise é o ambiente do paciente. Uma criança com um elevado grau de estresse na primeira infância ou durante o desenvolvimento é mais suscetível desenvolver um surto.

“É importante que as pessoas próximas percebam mudanças comportamenais do paciente, e prestem atenção ao que ele fala, suas percepções da realidade e outros sintomas. Deve-se ficar atento e levar a um profissional especializado”, diz Luan Diego Marques .
Como agir diante de uma pessoa em surto psicótico?
Quando uma pessoa se mostra de maneira diferente da forma com que costuma agir, ou passa a ter comportamentos que a coloquem em risco, ou que tragam prejuízo – para si ou para os outros – o mais importante é, primeiro, acolher o amigo ou familiar “com calma”, dizem os médicos.

Após retirar a pessoa da situação imediata de perigo, a orientação é levá-la a um serviço médico.

Além disso, o psiquiatra Luan Diego Marques destaca que é essecial levar a sério o quadro do paciente. ”Muitos parentes tem receio de buscar ajuda e preferem fazer algo com vies religioso isso não é o ideal. Essas pessoas precisam de auxilio psicologio e ajuda médica’.’

O que não fazer diante de um surto psicótico?
Os médicos alertam que não é recomendado partir para o confronto com as ideias delirantes, alucinações ou ilusões que a pessoa apresenta. “O mais indicado é acionar imediatamente um serviço profissional, como o SAMU, Corpo de Bombeiros ou uma clínica especializada para prestar socorro”, dizem os especialistas.

Qual o tratamento?
O tratamento para o surto psicótico tem início com a estabilização ou correção da sua causa, como suspender algum medicamento – se essa for a causa – ou administrar o antídoto adequado.

Em quadros psicóticos já estabelecidos, ao longo da vida, as melhores formas de evitar novos episódios, é a adesão ao tratamento medicamentoso, além do acompanhamento de uma equipe de saúde mental multidisciplinar.

“As medicações devem ser avaliadas de forma individualizada, em geral, com uso de antipsicóticos que podem ser associados a outras classes medicamentosas”, dizem os psiquiatras.

Comenrários

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img

Ultimas notícias